overweight-woman-measuring-waist-after-workout-2021-09-24-04-02-46-utc.jpg

CIRURGIA REVISIONAL

Para se fazer uma cirurgia revisional o paciente deve inicialmente ser liberado pela nutricionista e psicóloga. Ë muito importante que o paciente entenda que a reoperação é mais complexa que a primeira cirurgia e provavelmente a ultima chance do paciente. A maioria das cirurgias revisionais são devido a recidiva da obesidade.

Baseado na técnica que foi feita na primeira cirurgia existem as opções de cirurgias revisionais.

RECIDIVA DA OBESIDADE ou REGANHO DE PESO

Após a cirurgia bariátrica, em torno de 10% dos pacientes voltam a ganhar peso. Popularizada como reganho de peso, na verdade o nome correto é recidiva da obesidade, uma vez que a obesidade é considerada uma doença crônica. A recidiva da obesidade é multifatorial, pode ocorrer por problemas anatômicos (na cirurgia) ou por problemas comportamentais, ou seja, uma alimentação inadequada, problemas emocionais, falta de atividade física ou excesso de ingesta alcoólica.

 

O primeiro passo no paciente que voltou a ganhar peso, é identificar a causa. Nestes casos temos por hábito fazer exames que mostram como está a cirurgia realizada. A endoscopia irá mostrar se existe alguma alteração na parte interna do estômago. É importante também estudar a forma como se encontra o estômago. Se utiliza frequentemente o raio-x contrastado do estômago para analisar como está o tamanho gástrico. Nós temos optado em estudar a anatomia do estômago através da tomografia com reconstrução em 3D em conjunto com a volumetria, que como o nome diz, mede o volume do estômago. Com este exame temos a exata noção do tamanho do estômago e consequentemente conseguimos planejar o melhor tratamento.

 

O tratamento da recidiva da obesidade passa incialmente pela avaliação nutricional e psicológica. Pode-se associar alguns medicamentos na tentativa de voltar a perder peso. Em pacientes submetidos a Bypass gástrico e com anastomose gastrojejunal alargada, uma boa opção é o plasma de argônio. Procedimento endoscópico com excelentes resultados em resgatar o paciente.

 

Nos pacientes com alterações antômicas importantes com fístula gástrica, aumento do estômago e outras alterações, muitas vezes só resta uma nova cirurgia. 

3D SLEEVE.PNG
3D BYPASS.PNG

1. PÓS- SLEEVE

Nos pacientes que foram submetidos a sleeve (gastrectomia vertical) e voltaram a ganhar peso existem 02 opções. Uma boa alternativa é transformar o sleeve em bypass gástrico. Deve-se prefirir esta opção sempre nos pacientes com refluxo após o sleeve. Nos pacientes que durante o estudo anatômico do estômago mostrarem um estômago muito dilatado pode-se optar por refazer o o sleeve (RESLEEVE).

2. PÓS- BYPASS GÁSTRICO

Após a realização do bypass gástrico existem menos alternativas. Baseado no estudo anatômico antes da cirurgia e no achado operatório pode-se diminuir o tamanho do estômago novamente (RESHAPE), aumentar o tamanho do desvio intestinal (SCOPINARIZAÇÃO) ou em casos de alteração anatômica importante como na fístula gastro-gástrica, simplesmente corrigir esta alteração.

RESHAPE.PNG